O deputado do PSD Amadeu Albergaria está preocupado com notícias que anunciam o fim do “comboio turístico” da Linha do Vale do Vouga, exigindo uma resposta do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

O parlamentar social democrata lembra o êxito da iniciativa registado no ano passado, pois se no início o comboio arrancou já com uma taxa de ocupação de 85 por cento, na parte final já esteve esgotado, “numa prova inequívoca de que a iniciativa tem mérito”. Para o deputado aveirense, “não se compreende, pois, que um projeto com este potencial de captação de pessoas seja abandonado”.

A pergunta agora dirigida ao governo surge na sequência de notícias recentemente vindas a público, que apontam no sentido da redução da oferta dos chamados “comboios históricos” neste verão. Segundo o que se sabe, uma das viagens afetadas seria a da Linha do Vale do Vouga, na composição conhecida como Vouguinha.

No texto que suporta a iniciativa parlamentar é recordado que as três carruagens de três nacionalidades – uma belga, uma portuguesa e uma alemã –, puxadas pela velha locomotiva fabricada no País Basco em 1964, restauradas nas oficinas da EMEF (empresa da CP) nas oficinas de Contumil (Porto), fizeram um sucesso tremendo, para delícia dos turistas e de quem assistiu à passagem do comboio.

“São cerca de 35 quilómetros entre Aveiro e Macinhata do Vouga, onde os passageiros têm oportunidade de visitar museu ferroviário local, através de uma encenação realizada pelo TEMA – Teatro Espontâneo de Macinhata, que dá vida à história dos comboios no início do século XX. O programa incluiu uma paragem para uma visita à cidade de Águeda” – pode ler- se na pergunta.

Amadeu Albergaria quer saber do ministro da tutela se este confirma os dados avançados pela CP, que apontam no sentido da supressão do comboio turístico do Vouguinha e se pode o Ministério garantir que a viagem entre Aveiro e Macinhata do Vouga se realiza este ano.