A Junta de Fiães, sepultou, no espaço de 16 dias, duas pessoas de famílias diferentes na mesma campa. A notícia é avançada pelo JN, dizendo que os familiares, garantem não terem sido informados, mostrando-se revoltados com a situação. A falta de espaço terá estado na origem da decisão.

Alfredo Nogueira afirma que a esposa foi sepultada há três semanas numa campa da Junta de Freguesia de Fiães, tendo, duas semanas depois, ficado a saber que no mesmo local foi enterrado outro defunto. “ “A minha mulher foi sepultada no passado dia 10 e todos os dias passava pela campa para estar um pouco mais perto dela. No dia 26, quando fui fazer mais uma visita, descobri que estava lá outra pessoa enterrada, porque vi muitas flores em cima da campa”, conta ao JN.

Alfredo Nogueira dirigiu-se de imediato à Junta de Freguesia. “Como não fui informado, disse ao presidente que não compreendia como foi possível enterrar uma segunda pessoa no mesmo local em tão pouco tempo e ele respondeu que não tinha terreno disponível”, frisa.

“O presidente não conhece nem visita de certeza o cemitério. Existem outras campas disponíveis com pessoas sepultadas há nove, 10 e 20 anos”, assegura Alfredo Nogueira, que garante ter confrontado o autarca com esta informação. Contudo, considera não ter obtido qualquer esclarecimento que o deixasse mais tranquilo. “O presidente disse que o homem já estava enterrado e não havia mais nada a fazer”, lamenta.

“Isto nem a um animal se faz, nunca vi tamanha insensibilidade. Nunca mais consegui dormir e a família está toda chocada”, acrescentou.

O JN refere que tentou ouvir o presidente da Junta de Fiães, mas não esteve disponível para prestar esclarecimentos.

O JN também questionou um familiar do homem que foi sepultado mais recentemente na campa. Mostrou-se surpreendido com a situação e ao mesmo tempo solidário com a indignação de Alfredo Nogueira.

Foto:DR